26 de fevereiro de 2010

Campeoanto Baiano é igual a Chaves...

Campeoanto Baiano é igual a Chaves... Sacaneado por: Alilson Júnior.

19 de fevereiro de 2010

Sinval Vieira no Bahia: FAIL!!!!

10 de fevereiro de 2010

Algumas goleadas sofridas pelo Bahia

Mascote do BahiaEssa saiu na "Pilha Pura" do Jornal da Metrópole (05/02/10).

Quando o outrora glorioso Esporte Clube Bahia tomou 5 a 3 do seu xará de Feira, em pleno Pituaçu reformado - mas com o gramado já estragado -, a torcida fez questão de evocar o passado. Mas a verdade é que a pindaíba do Tricolor não é coisa nova, por isso resolvi catalogar algumas das piores goleadas sofridas pelo time. Por James Martins.
 
Vitória 7 x 1 Bahia (1948)
Para começar bem lá atrás (de lá ele) e de maneira cruel, por ser a maior goleada sofrida para o maior rival, vou citar uma ocasião tão antiga que é impossível me lembrar sem ajuda da memória dos mais velhos ou do Google. Já no remoto passado, o Leão devorou mal passado o time que ainda era de aço. Naqueles idos do lendário Campo da Graça, o Jahia conhecia o sabor da desgraça, em pleno 2 de julho, caindo de 7 a 1 diante do Rubro-negro. Gols de Carlito (3), Jayme (2), Dario e Tombinho para o Leão. Gramacho marcou o de honra.  

Santos 9 x 2 Bahia (1968)
Tá certo que naquela época qualquer um que passasse pela frente o Peixe pegava, matava e cuspia. Mas o Bahia era ousado (é mais adequada a grafa “osado”) e aqueles 9 a 2 doeram na jugular do primeiro campeão do Brasil. Só Pelé fez três. Ou talvez seja mais certo dizer: Pelé só brocou três. O fato é que aquela partida, valendo pela Taça Roberto Gomes Pedrosa, terminou sendo a maior goleada sofrida pelo time do Fazendão, mas a equipe de agora está se esforçando muito para superar o feito. Bora Baêa minha p...!  

Cruzeiro 6 x 0 Bahia (1993)
Se o fenômeno Ronaldo devia agradecer a alguém por ter ajudado a alavancar sua carreira, devia ser ao Bahia (sem falar em Rodolfo Rodrigues). Quando ainda tinha apenas 16 anos e muitas espinhas na cara, o moleque meteu cinco gols no tricolor de plástico e chamou a atenção de todo mundo. Por aqui também o Bahia chamava a atenção, porque começava naquela época uma fase macabra, que resultou, por exemplo, na comemoração dos 10 anos do título brasileiro de 1988, disputando pela primeira vez a Série B.  

Flamengo 6 x 0 Bahia (2003)
Dez anos depois de promover com a sua ruína a ascensão de Ronaldo, o Jahia tomou outra meia-dúzia de gols num jogo só. O clube tinha sentido o gostinho da Série B, mas parecia recuperado, voltando “na máfa” e fcando em 11° e 8° lugares em 2000 e 2001, respectivamente. Este 6 a 0 tem uma curiosidade em relação ao momento atual. Edilson, o Capetinha, marcou três. Ou seja, lenhou o Bahia do lado de lá, agora quer acabar de matar do lado de cá.  

Bahia 0 x 7 Cruzeiro (2003)
Mas a pior goleada de todas foi esta, em plena Fonte Nova, contra o Cruzeiro já campeão e em clima ressaqueado de festa. Se a Raposa não precisava mais de nada, o Bahia, ao contrário, precisava de tudo para não cair pra Segundona de novo. Mas caiu. E não foi uma quedinha qualquer: 7 a 0, sem direito ao gol de honra. Outra coisa imperdoável: os quatro primeiros gols foram de pênalti, marcados em apenas 37 minutos. Desse jeito, só nos resta gritar: pode fcar com seu Bahia!

9 de fevereiro de 2010

Mais crise! Até roupeiro do Bahia pede demissão por falta de salários

Mais crise! até roupeiro do Bahia pede demissão por falta de salários
Um dos funcionários mais antigos do Bahia pediu demissão e já saiu do clube. Trata-se do encarregado da rouparia, Mario Costa. Seria um fato corriqueiro e sem muita importância, não fosse o motivo do pedido de dispensa: atraso de salários.
O funcionário, que já não viajou para Vitória-ES, estava há mais de três meses sem receber os vencimentos e se queixava com outros companheiros de que estava acumulando muitas dívidas, mesma situação de outros funcionários tricolores. Sem poder comprar gás, fazer feira no mercado e pagar água e luz, dentre outras dívidas, Mário Costa preferiu sair do clube e procurar um outro lugar para trabalhar.
A expectativa dentro do Bahia é exclusivamente em torno da desapropriação da sede de praia, já realizada, mas sem finalização. O clube espera receber do prefeito João Henrique a indenização, que será paga com transcons, que serão vendidos às construtoras interessadas, o que ainda não ocorreu. O prefeito da capital sequer conversa com os dirigentes sobre o assunto, enquanto a crise vai aumentando a cada dia. Autor: Márcio Martins.

8 de fevereiro de 2010

Binha CARD 2

Veja também o Binha CARD. Binha Card

5 de fevereiro de 2010

Renato Gaúcho e a "2ª divisão"

Pelo visto ele quer colocar o Jahia na 2ª divisão do Campeonato Baiano...

3 de fevereiro de 2010

Cadê o jahia papai?

Renato Gaúcho

2 de fevereiro de 2010

Feiraguai

Feiraguai

1 de fevereiro de 2010

Genérico do Bahia, melhor que o ORIGINAL

Bahia genérico OBS: BAHI 3 X 5 BAHIA DE FEIRA

Jahia: nem o CAPETA dá jeito

Essa foi da capa do jornal Correio* de hoje (01/02/10), referente à derrota do Bahia para o 'Bahia de Feira' por 5 a 3.

O camisa 10 do Jahia tem dono...

Ainda sobre a vergpnha do Jahia contra o Bahia de Feira. Essa é do blog de Alex Bruno.

Bahia genérico é melhor que Bahia original!

BORA BAHIA!! BORA BAHIA DE FEIRA!!!

Crise tricolor! depois da vergonha problemas são de meter medo

Crise tricolor! depois da vergonha problemas são de meter medo Com a terceira partida consecutiva sem vitória, começam a surgir as noticias negativas da administração do presidente Marcelo Guimarães Filho. Funcionários do clube começaram a procuram a imprensa para tornar pública a situação dentro do Fazendão: 1 – Os salários de funcionários já estão atrasados desde novembro do ano passado e não há quem atenda os apelos. “Ninguém quer receber as queixas”, afirma um dos prejudicados. 2 – O zagueiro Álison tem muito dinheiro a receber no clube e perdeu a paciência na semana passada, indo pessoalmente cobrar a dívida de forma dura ao superintendente Roberto Passos e ao diretor financeiro Thiago Cintra. O atleta até hoje não recebeu sequer as luvas prometidas na renovação de contrato, fora salários. 3 – O diretor financeiro Thiago Cintra convocou os funcionários para uma reunião e ameaçou: “não queremos funcionários ‘traíras’ aqui dentro, se não querem trabalhar da forma que está peçam demissão, o Bahia demite e vocês não perdem nada”. Dois já se demitiram e vão aguardar um acordo judicial para receber o que têm direito. A reunião teria sido por causa do vazamento de noticias negativas do clube para a imprensa, principalmente os salários atrasados. 4 – As refeições para os funcionários que trabalham dois turnos eram feitas no restaurante no sistema self-service. Com a crise financeira, uma pessoa fica responsável em colocar a comida no prato de cada funcionário e não pode repetir. É prato feito. 5 – O departamento jurídico fechou dezenas de acordos trabalhistas e parcelou os pagamentos em vários meses. O Bahia não vem cumprindo esse acordos e terá que pagar multa de até 100% do valor em cada parcela paga com atraso. Segundo Ademir Ismerin, vice-jurídico, foi uma surpresa, pois não sabia desse comportamento da direção tricolor. 6 – O novo gerente administrativo da divisão de base, de prenome Adelmo, vem perseguindo funcionários e, segundo denúncias, obriga-os a lavar carros de diretores. 7 – Diante de tantas cobranças e problemas, o diretor financeiro, Thiago Cintra, determinou que não atenderá mais nenhum funcionário. É proibido procurar o diretor diretamente, cada funcionário tem que falar com o chefe do seu departamento para cobrar salários atrasados. O detalhe é que nenhum dos chefes de departamento tem autonomia para resolver questões salariais. Resultado: ninguém consegue nada, nem mesmo reclamar. Ah! Se reclamar vai embora, lembram da tal reunião? Por fim, a situação financeira do Bahia é de total crise ao ponto de um funcionário antigo do clube ter declarado esta semana: “Estou com saudade de Petrônio Barradas, pelo menos ele estava aqui todos os dias dividindo os problemas com a gente”. Quem diria! Autor: Márcio Martins.
2leep.com